Sobre o Clube

CLUBE SERRA DA MOEDA

A fundação do Clube Serra da Moeda tem como consequência direta o espírito inglês de sociabilidade, de convivência, manifestada nas relações das pessoas entre si e intergrupos, cristalizando-se em momentos importantes da vida, marcada inicialmente pelas condições da época e do lugar.

Mr. Leslie Melville Clemence, um dos fundadores do Clube e seu primeiro Presidente, em setembro de 1964, sintetizou tudo em poucas palavras: “a idéia da criação do Serra”, como até hoje os sócios, carinhosamente, o chamam, “era manter o espírito inglês dos tempos do clube da Cia. Morro Velho”.

Clemence era dotado de inteligência, capacidade administrativa, influência nos meios siderúrgicos na Europa, possuía alguns bens na Inglaterra e no Brasil e era de família tradicional britânica. Tudo isso possibilitou a ele chegar ao cargo de Diretor Geral de Propriedades da Companhia Morro Velho.

fundador

O fundador do Clube Serra da Moeda Leslie Melvile Clemence e sua esposa Diva Raborg Clemence, quando das comemorações das Bodas de Ouro do casal em 1977. Ambos vieram a falecer em 1978.

No exterior, longe da pátria, dentro desse espírito associativo, proliferaram pelo nosso território, entidades fraternas inglesas e de outras nacionalidades. O estrangeiro, nas Américas, se sentia isolado, fora do seu núcleo, um peixe fora d’água no dizer popular. Procura então um refúgio em associações de conterrâneos, que pelo menos, lhes devolva um pouco da negatividade da sua vida e das pressões da saudade. Foi o caso, por exemplo, do Clube Cravo Vermelho em Sabará, associação criada em 1921 por belgas e luxemburgueses, com o mesmo espírito que viria orientar os ingleses, criadores do Serra da Moeda.

Testemunhando essa época, existe ainda hoje, na sede social do Serra, a famosa “lareira”, construída originalmente pelos ingleses.

Partindo da ideia da criação do clube, que já vinha sendo costurada desde 1962, vários colegas e amigos de Mr. Leslie, se organizaram e começaram a procurar pelo terreno. Encontram um, que atendia bem seus objetivos, com 50 mil metros quadrados, às margens da Lagoa Grande, mais conhecida como Lagoa dos Ingleses, construída para fornecer energia para a Mineração Morro Velho, na Usina de Rio do Peixe, no km. 422, da antiga BR3, atual 381, onde os antigos funcionários da Morro Velho faziam deliciosos “pic-nics”, nos fins de semana, em uma região de eucaliptos, bucólica,  próximo à Serra da Moeda, no município  criado em 1853, com a denominação de Moeda, desmembrado de Belo Vale. Daí a origem do nome do Clube.

Participaram, como investidores, nesses primeiros momentos, ingleses e brasileiros, diretores do Banco de Londres, depois Lloyds Bank, e a própria Saint John Del Rey Mining Co. Ltda., de quem a área foi arrendada.

A assinatura do contrato tem a data de 21 de setembro de 1964, mas a fundação é de agosto do mesmo ano, e o documento dizia, entre outras coisas, que o arrendamento teria validade de 50 anos a partir da sua assinatura, ao preço de CR$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzeiros ) por ano, com reajuste anual renovável, e se não houvesse interesse da Cia. de Mineração Novalimense, a empresa brasileira do grupo, o uso da água da lagoa seria regulamentado pela locadora e as benfeitorias, se a locatária encerrasse suas atividades, seriam incorporadas ao acervo  da  locadora.

O prazo, para aquisição definitiva se estenderia até 2030, com o direito de preferência de compra, obviamente, para o Clube Serra da Moeda.

Assinaram o documento, pelo Clube, o Dr.Paulo Moreira Naves e pela Morro Velho Mr. Theodores Ira Lampman. (Texto José AC Bouzas)